O meu filho faz birra por que quer atenção? Por que o meu filho fica andando de um lado para o outro aparentemente sem um objetivo? Para responder questões como essas que intrigam pais de crianças típicas e de crianças com autismo, deve-se analisar as contingências.
Contingência é uma relação de dependência entre eventos ambientais. A contingência pode ser expressa em enunciados do tipo “se…, então…”. A cláusula “se” especifica algum aspecto do comportamento ou do ambiente e “então” especifica o evento ambiental consequente. Assim, se você apertar o interruptor, então a luz vai apagar, ou seja, a consequência é contingente à resposta, assim, a consequência depende do comportamento.
É importante analisar as contingências para identificarmos os elementos envolvidos em uma dada situação, e verificar se há ou não uma relação de dependência entre eles. Por exemplo, uma criança chora quando os pais interrompem uma brincadeira e então os pais voltam a brincar com ela. Analisar as contingências ajuda a identificar a seguinte contingência estabelecida “se a criança chora, então a brincadeira continua”. A partir desse conhecimento é possível programar a intervenção.
A tarefa do analista do comportamento será então identificar as contingências que estão operando, assim como, propor, criar ou estabelecer relações de contingência para o desenvolvimento de certos comportamentos (ex.: fala, permanecer sentado em sala, fazer atividades propostas, etc.), bem como, reduzir, enfraquecer ou eliminar outros comportamentos (ex.: birra, comportamentos auto estimulatórios, comportamentos agressivos, etc.).

Referência: NOVAK, Gary; PELAEZ, Martha (2004). Child and Adolescent Development: A Behavioral Systems Approach. Sage Editor, EUA.

FacebookTwitterGoogle+